“João Correia Rebelo — Um Arquitecto Moderno nos Açores”

O Instituto Açoriano de Cultura leva a efeito uma exposição sobre a obra do Arquitecto açoriano João Correia Rebelo, cuja inauguração terá lugar no dia 20 de Fevereiro, pelas 18h30, na Academia das Artes dos Açores, em Ponta Delgada, com uma conferência pelo Comissário da exposição Arqº João Vieira Caldas.

João Correia Rebelo era um homem de convicções. Como muitos arquitectos da sua geração acreditava que a arquitectura e o urbanismo propostos pelo Movimento Moderno haveriam de mudar o Mundo para melhor. Não concebia nem aceitava uma arquitectura que não recorresse às possibilidades técnicas e materiais do seu tempo, que não fosse a expressão inequívoca desses recursos, das funções a que se destinava, de um desígnio social. Distinguiu-se pelo modo particularmente aguerrido e intransigente com que defendeu aqueles ideais e por ter tentado fazê-lo não só através dos seus projectos mas também, caso único no Portugal dos anos 50, pela publicação de verdadeiros manifestos.

Nascido em Ponta Delgada em 1923 e formado pela Escola de Belas Artes de Lisboa, João Rebelo – filho do consagrado Pintor Domingos Rebelo – estabeleceu-se na sua cidade natal após a obtenção do diploma de arquitecto. A dificuldade em exercer plenamente a profissão segundo os princípios em que acreditava levou-o de novo ao Continente, de onde, em 1969, emigrou para o Canadá.

Esta exposição – organizada pelo Instituto Açoriano de Cultura a partir de uma vasta investigação feita com base no seu espólio que para o efeito foi confiado ao Instituto Açoriano de Cultura pela família – pretende chamar a atenção para a obra e para a pertinência das posições defendidas por este arquitecto pouco conhecido nos próprios Açores, numa perspectiva mais genérica de divulgação do património moderno.

A exposição, intitulada “João Correia Rebelo — Um Arquitecto Moderno nos Açores”, contou com patrocínios de diversas entidades, com especial destaque para o Instituto de Arte Contemporânea/Ministério da Cultura e para a Direcção Regional da Cultura, e estará aberta ao público na Academia das Artes dos Açores até ao dia 22 de Março, seguindo depois para a Casa da Cerca/Centro de Arte Contemporânea (Câmara Municipal de Almada), onde estará aberta de 13 de Abril a 8 de Junho, após o que será também apresentada no Porto, Montreal (Canadá) e Angra do Heroísmo.